Programa de Ação

Algumas propostas do Programa de Ação
Valorizar os Engenheiros para Valorizar Portugal

Os 24 anos de experiência em diversos órgãos da Ordem dos Engenheiros – entre os quais a vice-presidência – colocam Fernando Manuel de Almeida Santos como o candidato a Bastonário mais conhecedor dos problemas e necessidades da Ordem dos Engenheiros.

O Programa da sua candidatura reflete essa mais-valia, concretizada, em baixo, nos 9 EIXOS DA ENGENHARIA, que declinam todas as propostas para os próximos 3 anos da Ordem.

Num momento determinante para o país, em que Portugal tem a oportunidade de aplicar o dobro de verbas em fundos comunitários que teve disponível nos últimos anos, representam uma oportunidade, mas também um desafio.

Temos uma Bazuca, mas não temos quem prima o gatilho

A verdade é que Portugal não tem engenheiros suficientes em Portugal para executar o PRR ou o PNI 2030. As razões são complexas. O Estado português para isso contribuiu pela forma como tratou os projetos e cadernos de encargos, esmagando preços e encolhendo salários. O resultado foi a redução do número de empresas e engenheiros disponíveis para os investimentos tão necessários para o país.

Com a sua eleição, esta candidatura vai trabalhar para valorizar a profissão dos engenheiros, assumindo o compromisso de garantir a definição de competências dos engenheiros.

A Ordem precisa de ganhar um novo posicionamento no país, tornando-se numa voz assertiva, capaz de negociar e concertar com os decisores políticos os mecanismos que permitam apoiar a capacidade portuguesa com contratualização adequada à criação de riqueza e de mais-valia através de preços condignos, ao mesmo tempo que garantam a adjudicação com critérios que traduzam a realidade dos custos e a valorização da competência e que se adequem de forma justa os preços base, cadernos de encargos e programas de concursos transparentes e políticas de equidade na contratação publica do Estado através do Código de Contratação Pública

Com esse mesmo propósito vai criar, no seio da Ordem, o Gabinete dos Assuntos Profissionais e o “Clube do Engenheiro”.

Ordem tem de se fazer ouvir e precisa de ser ouvida

Mas a intenção de tornar evidente o papel estratégico do Engenheiro não se deve apenas à inegável necessidade de dignificar a profissão. A Ordem tem também de se tornar na voz competente, ponderada e autorizada que contribui para o desenvolvimento de Portugal. É por isso que esta lista se propõe a promover a Ordem dos Engenheiros como um Fórum de debate sobre os temas emergentes e atuais. Daí a proposta de criação do Fórum Engenharia e Construção, com parceiros da fileira da construção portuguesa, desde associações empresariais, profissionais de engenharia, consultoras, gestoras, projetistas e construtores, potenciando um verdadeiro “think tank” de apoio à debelação das mais profundas dificuldades portuguesas.

Ao mesmo tempo, vai criar um Barómetro trimestral de recolha de opinião através de inquérito por amostragem a membros da Ordem dos Engenheiros, contemplando temas atuais do momento ou de impacto na engenharia, vai desenvolver um Observatório que congregue informação estatística continuada para divulgação aos membros e facultar informação detalhada que permita a intervenção externa da Ordem sobre a evolução dos engenheiros e da engenharia em Portugal, avançar com a PIE – plataforma interativa de engenharia que permita uma intervenção da Ordem dos Engenheiros em todo o território nacional através de presidências abertas.

Uma ordem na Era Netflix

Esses objetivos tornam-se mais fáceis de atingir se a Ordem se agilizar e modernizar. A verdade é que a OE carece atualmente de um acelerador que a coloque definitivamente na atualidade do século XXI. Esta candidatura vai aproveitar todas as ferramentas digitais existentes para se aproximar dos seus associados.

Vai igualmente fazer refletir os novos tempos na sua estrutura, com a criação de novos colégios, e que já deviam estar instalados, como o de Engenharia Aeronáutica e do Espaço, Engenharia Biomédica e Genética ou Engenharia Alimentar. Vai também promover novas especializações como a Engenharia da Qualidade ou a Engenharia de Analise de Risco e Catástrofes Naturais.

9 EIXOS DA ENGENHARIA

Os 9 Eixos de Engenharia que se propõem nesta candidatura aos órgãos nacionais da Ordem dos Engenheiros para o triénio 2022-2025, com o objetivo de VALORIZAR OS ENGENHEIROS PARA VALORIZAR PORTUGAL, são os seguintes: